quarta-feira, 4 de agosto de 2010

TV aberta cresce 25% no 1º semestre

Juliana Welling

Investimentos ligados à Copa do Mundo e novidades nas grades das emissoras favoreceram aumento de faturamento este ano



Em ano de Copa do Mundo, natural que os investimentos publicitários direcionados aos diveR$os meios de comunicação sejam intensificados. Os resultados alcançados no primeiro semestre de 2010, de acordo com números do Ibope Monitor, confirmam esse desempenho. De janeiro até junho o total da receita investida nos meios TV aberta, jornal, TV por assinatura, revista, internet, rádio, cinema e outdoor contabilizou R$ 35,050 bilhões. Em 2009, a verba foi de R$ 28,059 bilhões.

Segundo os dados divulgados pelo instituto, a TV aberta recebeu, nos primeiros seis meses do ano, mais de R$ 18,848 bilhões em receita publicitária contra os R$ 15,038 bilhões destinados ao meio no mesmo período do ano anterior, representando aproximadamente 25% de aumento. Assim como nos demais anos, o veículo continua na liderança do share publicitário, com 53,8% de participação.

Em seguida está o jornal, que conquistou no primeiro semestre R$ 7,492 bilhões dos investimentos. Já nos primeiros seis meses de 2009 o meio contabilizou a receita de R$ 6,314 bilhões.

Após o jornal, a TV por assinatura é o meio que mais se destacou nos primeiros seis meses de 2010. De acordo com os dados do Ibope Monitor, recebeu de janeiro a junho R$ 2,786 bilhões em receita publicitária. No mesmo período de 2009, os investimentos ficaram em torno de R$ 2,200 bilhões.

ANO AQUECIDO

Assim como apontam os dados do Ibope Monitor, o primeiro semestre das TVs abertas foi marcado por uma forte movimentação na área comercial. Além do evento da Copa do Mundo, novidades na grade de programação e o aquecimento da economia foram os principais motivos apontados pelas emissoras para o aumento do faturamento publicitário do setor. O SBT, por exemplo, obteve crescimento de 32% no faturamento publicitário neste primeiro semestre de 2010. De acordo com Henrique Casciato, diretor comercial da emissora, este é o melhor resultado do SBT desde 2005. "Em 2009 já havíamos crescido 11% em relação a 2008. O período de Copa é bom para todo mundo. Mas a grande procura comercial também se deve à boa situação econômica do País e à grade diversificada e estável do SBT", afirmou Casciato.

Em um segundo semestre que poderá ser abalado devido à veiculação do horário eleitoral - que neste ano vai de 17 de agosto a 30 de setembro -, o diretor comercial do SBT prevê um crescimento de 10% em relação a 2009, "Para 2010 prevemos um aumento de 15% no faturamento da emissora", destacou o executivo.

Detentora de mais de 60% de toda a verba publicitária para o meio televisivo, a Rede Globo não revelou dados sobre o seu faturamento. Mas conforme Willy Haas, diretor geral de comercialização da Rede Globo, a emissora obteve resultados positivos. "A manutenção de nossos altos índices de audiência se traduziu em investimento publicitário consistente. Entre janeiro e abril, por exemplo, o mercado publicitário cresceu 25,9% e a TV aberta aumentou 33,1%", disse Haas, acrescentando que os investimentos em mídia em 2010 devem apresentar crescimento expressivo.

Para o executivo, a Copa do Mundo movimentou significativamente o mercado anunciante, que investiu em campanhas direcionadas, envolvendo tanto a indústria quanto o varejo.

O diretor executivo comercial da Band, Marcelo Mainardi, também aponta crescimento no faturamento da emissora neste primeiro semestre. De acordo com Mainardi, a Band obteve 44% de aumento em relação ao mesmo período de 2009. "A Copa, sem dúvida, é um anabolizante. Mas o crescimento também diz respeito à nossa grade nova, que estreou no dia 2 de maio", explicou Mainardi, complementando que a partir de agosto a emissora apresentará novidades em sua grade de sábado, com a meta de "rejuvenescer" a programação do canal. Segundo o executivo, novas contratações poderão ocorrer. Para 2010, a previsão de crescimento é em torno de 35%.

Já a Rede TV! apresentou crescimento de 20% nos primeiros seis meses do ano. De acordo com Otaviano Pereira, superintendente comercial, apesar da emissora não deter os direitos de transmissão da Copa, a Rede TV! pôde rechear a programação com conteúdo relativo ao evento esportivo. "Conseguimos, com isso, gerar ganhos de audiência e movimentar o mercado anunciante. Mas o aquecimento da economia também favoreceu esse crescimento", afirmou Pereira. A projeção do executivo é de que, em 2010, a Rede TVI obtenha cerca de 30% de aumento de seu faturamento em relação a 2009.

De acordo com Walter Zagari, vp comercial da Rede Record, de janeiro a junho a emissora obteve 50% de crescimento no primeiro semestre de 2010. "Esse desempenho sinaliza um segundo semestre também bastante promissor. Estamos projetando um crescimento em torno de 40%", afirmou.

Fonte Página Caderno

Propaganda & Marketing 29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget